Skip directly to content

Resistência aos antibióticos

A resistência aos antibióticos é a capacidade das bactérias combaterem a ação dos antibióticos. Quando se fala em resistência a antibióticos, muitos assumem que são as pessoas ou os animais que desenvolvem essa resistência.
 
No entanto, são as bactérias que causam as doenças as que se tornam resistentes aos antibióticos. Quando isto acontece, as infeções que eram simples de tratar, deixam de ser tratáveis. Nas infeções causadas por um vírus (como uma constipação, uma gripe ou a maioria das infeções de garganta e bronquite), os antibióticos não possuem qualquer ação. Os antibióticos só combatem as infeções causadas por bactérias.
 
 

Resistência a antibióticos: uma preocupação de saúde pública mundial 
 

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) estima que até 2050, as infecções por bactérias resistentes a antibióticos poderão matar 2,4 milhões de pessoas na Europa, América do Norte e Austrália. Estima-se que em 2050, a resistência aos antimicrobianos matará globalmente mais de 10 milhões de pessoas por ano.1

 

 

“Tome a atitude certa”, é o mote do novo projeto contra a resistência aos antibióticos, desenvolvido pela Pfizer em parceria com o Grupo de Infeção e Sepsis (GIS), que apela a uma mudança de atitude de todos aqueles que podem fazer a diferença.

Com este projeto, pretende-se alertar para a problemática da situação, bem como sobre quais são, na prática, as atitudes certas que todos devemos tomar.

Referências:

1 Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económicos (OCDE)  http://www.oecd.org/

PP-PFE-PRT-0269