Skip directly to content

Farmacovigilância

Os medicamentos podem ajudar a evitar, a melhorar ou a curar doenças. Todos os medicamentos têm benefícios e riscos, tanto os sujeitos a receita médica como os de venda livre.

O objetivo da Farmacovigilância é assegurar que os doentes, os profissionais de saúde e as autoridades regulamentares tenham toda a informação relevante sobre os benefícios e os riscos dos medicamentos, para que tomem decisões informadas sobre a sua utilização.

Enquanto empresa farmacêutica global, é nossa responsabilidade ética e regulamentar,  monitorizar a segurança dos medicamentos que desenvolvemos. Como parte do nosso compromisso com a segurança dos doentes, a Pfizer emprega especialistas em segurança dos medicamentos (Farmacovigilância) em todo o mundo, incluindo em Portugal, que registam e monitorizam as notificações de efeitos adversos.

 

P: o que são os benefícios e os riscos de um medicamento?
Os benefícios de um medicamento são os efeitos que ajudam a evitar, a melhorar ou a curar doenças. Por exemplo, reduzir a dor, diminuir um tumor ou baixar os níveis de colesterol.
Os riscos são as possibilidades de um medicamento causar um efeito negativo indesejado ou inesperado. A maior parte destes efeitos são ligeiros, como boca seca ou sonolência temporária, mas alguns podem ser graves, como o aumento do risco de hemorragia ou de ataque cardíaco.
P: o que é um acontecimento adverso?

É o termo utilizado para descrever qualquer ocorrência indesejável observada num doente ou consumidor que toma um medicamento. Podem ou não ter sido causados pelo medicamento, mas é importante registar estes acontecimentos e tentar perceber se existe uma ligação.

Efeito adverso ou reação adversa
(efeitos secundários - termo comum)

Um problema que se sabe estar associado com um medicamento específico é muitas vezes designado de “efeito adverso” ou “reação adversa” pelos especialistas em segurança dos medicamentos (Farmacovigilância). O termo comum para estas ocorrências é “efeitos secundários”, e estas constituem uma das principais preocupações dos doentes e dos médicos.

Qualquer medicamento, por muito seguro e eficaz que seja, tem o potencial de causar efeitos secundários. Os benefícios de qualquer medicamento têm que ser avaliados face aos possíveis riscos. As autoridades regulamentares reveem os dados sobre os benefícios e riscos de um novo medicamento nos doentes dos ensaios clínicos antes de aprovar a sua utilização pelo público; médicos e doentes tomam as suas decisões com base nas necessidades de saúde e nas preferências dos doentes.

As decisões relativamente a um medicamento devem ser tomadas em conjunto com o seu médico ou outros profissionais de saúde.
Outra consideração importante nestas decisões é o risco colocado por não tratar a doença subjacente. O desafio é determinar se o risco de efeitos secundários é ultrapassado pelos benefícios potenciais do medicamento no tratamento ou na prevenção da doença. Ao saber mais sobre a segurança, benefícios e efeitos secundários dos medicamentos, pode participar de forma mais informada nas decisões de saúde com a sua equipa de profissionais de saúde.

P: o medicamento tem sempre efeitos secundários?

O medicamento perfeito trataria apenas do problema de saúde e não teria outros efeitos no organismo. Infelizmente, não existem medicamentos tão perfeitos. Todos os medicamentos têm o potencial para produzir efeitos para além dos pretendidos.

A probabilidade de sofrer um efeito secundário é muito variada, dependendo do medicamento, da forma como é utilizado, de outros medicamentos que a pessoa esteja a tomar, e das características individuais de cada um (como a idade, o peso, outras doenças e fatores de risco).

Alguns medicamentos raramente causam efeitos secundários, enquanto outros (como alguns fármacos para o cancro) podem produzir estes efeitos em quase todos os utilizadores. Alguns efeitos secundários são frequentes com um determinado medicamento e outros são raros. Alguns acontecimentos adversos são graves e outros não.

O seu médico não pode afirmar com toda a certeza se irá ou não ter um efeito secundário particular, mas pode informar sobre o que pode esperar e como agir se algum dos efeitos secundários ocorrer.

P: quais as possíveis consequências dos efeitos secundários?

Alguns medicamentos apresentam avisos sobre efeitos secundários raros ou pouco frequentes, mas graves. Em geral, estes merecem atenção, pois as consequências colocam seriamente a vida em risco ou podem originar danos permanentes. No entanto, os riscos podem ser justificados pelos benefícios proporcionados pelo medicamento, dependendo de vários fatores nos quais se inclui a gravidade da doença subjacente.

Os medicamentos são sujeitos a extensos testes antes de terem autorização de introdução no mercado, e os fabricantes e as autoridades regulamentares continuam a monitorizar os acontecimentos adversos (que podem ou não estar relacionados com o medicamento) depois da autorização. Os medicamentos que demonstram potencial para causar efeitos adversos graves são aprovados apenas se os benefícios conhecidos do medicamento para a patologia que se pretende tratar ultrapassem os riscos aparentes. Por essa razão, os efeitos secundários menores (os que não causam problemas duradouros e muitas vezes acabam por desaparecer por si) são muito mais frequentes que os graves. As empresas farmacêuticas e as autoridades regulamentares mantêm sistemas para recolher e responder rapidamente a notificações de efeitos adversos graves e inesperados.

Os efeitos secundários variam igualmente no desconforto que causam. Por exemplo, um medicamento pode causar um grande desconforto, como prurido ou dor de cabeça, mas não causar qualquer mal permanente.

Dependendo dos benefícios proporcionados pelo medicamento, muitos doentes e médicos podem aceitar apenas efeitos secundários que não sejam graves nem muito incomodativos.
(Nota: alguns efeitos que por si só podem não ser considerados graves, como tonturas, podem causar problemas graves de segurança pessoal se a pessoa conduz um carro ou opera máquinas).

Leia sempre o folheto informativo dos seus medicamentos

 

posso fazer alguma coisa para reduzir o risco de ocorrerem efeitos secundários?

Sem dúvida. Converse com o seu médico ou farmacêutico sobre a possibilidade de um medicamento causar efeitos secundários, seja ele sujeito a receita médica ou de venda livre.

 
Conheça os seus medicamentos.

Aprenda o nome de todos os medicamentos que toma (genéricos e de marca) e das doenças a que se destinam tratar. Mantenha uma lista atualizada de todos (com receita, sem receita, suplementos alimentares e à base de plantas), incluindo a dose, e leve-a a todas as consultas médicas. Se pesquisar os seus medicamentos na Internet, confirme sempre todas as informações junto do seu médico ou farmacêutico, porque nem todos os sítios da Internet são de confiança. Por vezes, as principais empresas farmacêuticas têm sítios informativos na Internet relativamente aos medicamentos que produzem e estes podem ser um bom local para começar. As autoridades regulamentares que regulam o medicamento, como o INFARMED I.P., são igualmente fontes de informação de confiança.
 

Leia o folheto informativo e siga as instruções.

Depois de adquirir os medicamentos receitados, tome-os exatamente como indicado pelo seu médico. Caso se esqueça de tomar o medicamento ou não tenha intencionalmente tomado uma dose, pergunte ao seu médico ou farmacêutico o que fazer (não tome automaticamente uma dose dupla a seguir). E se tiver problemas em conseguir pagar o seu medicamento, não divida os comprimidos para poupar dinheiro (com alguns medicamentos, tomar doses parciais pode ser prejudicial). Em vez disso, informe-se sobre alternativas mais baratas ou sobre programas disponíveis para ajudar as pessoas a terem acesso aos tratamentos de que necessitam.

Se ler alguma informação na embalagem ou no folheto informativo sobre o seu medicamento sujeito a receita médica que seja alarmante ou confusa, não a ignore nem deixe de tomar o medicamento! Fale com o seu médico sobre as suas preocupações. O médico prescreveu o medicamento para lhe proporcionar um conjunto de benefícios e deve falar com ele para verificar se o perfil benefício/risco do medicamento é adequado a si.

Conheça o seu historial de saúde e partilhe-o com o seu profissional de saúde.

Se já teve reações alérgicas, de sensibilidade ou efeitos secundários a medicamentos no passado, informe o seu médico. Certifique-se de que o seu médico tem conhecimento de todas as patologias atuais e anteriores, bem como dos seus fatores de risco.

Evite interações.

Alguns efeitos secundários podem ter origem na toma de um medicamento com alimentos ou bebidas específicas (como sumo de toranja) ou outro medicamento ou produto de saúde (incluindo vitaminas e suplementos à base de plantas) que podem causar interações prejudiciais. Tome nota, siga todas as precauções e avisos do folheto informativo ou embalagem sobre interações e pergunte ao seu médico ou farmacêutico se há mais alguma informação de que deva ter conhecimento (como saber se pode ou não tomar o medicamento com alimentos ou se é seguro tomá-lo com outros medicamentos que já toma).

Minimize os efeitos secundários, se possível.

Os efeitos secundários com alguns medicamentos podem ser reduzidos se tomar os medicamentos com as refeições ou a uma certa hora do dia, ou usando outras estratégias. Mais uma vez, siga as instruções do folheto informativo ou da embalagem e peça conselho ao seu médico ou farmacêutico.

P: o que devo fazer se sentir um possível efeito secundário?

Mantenha-se atento aos efeitos do medicamento no seu corpo e na sua mente. Pergunte ao médico o que deve esperar do medicamento – quando deve esperar melhoras, que efeitos secundários podem ocorrer e se vai precisar de exames de seguimento ou monitorização. Saiba o que fazer se sentir efeitos secundários e quando alertar o médico. Caso tenha dúvidas sobre se deve avisar o médico, é melhor fazê-lo. É uma boa ideia escrever quaisquer alterações ou possíveis efeitos secundários que possa sentir.

Caso tenha dúvidas deve avisar o médico.

Nem todas as alterações que sente quando toma um medicamento são necessariamente um efeito secundário desse medicamento, mas é importante contactar o seu profissional de saúde. As sensações ou sintomas podem resultar de um problema de saúde subjacente ou de uma interação entre dois medicamentos que esteja a tomar. O seu médico deve analisar o momento em que o problema começou, outras causas possíveis para o mesmo e o perfil de efeitos secundários conhecidos do próprio medicamento. As recomendações do médico podem incluir descontinuar o medicamento para a sua doença, mudar para outro ou alterar a dose.

A escolha apropriada irá depender da importância dos benefícios do medicamento e da gravidade ou incómodo que causam os efeitos secundários.

PP-PFE-PRT-0136